Obras de mobilidade estão em ritmo acelerado

Mogi Guaçu sempre priorizou obras que contribuíram para o seu desenvolvimento. Regiões até mesmo mais distantes da região central se valorizaram com a criação destes corredores viários, que oportunizaram o surgimento de novos negócios, empresas, comércios, serviços e propiciou a valorização imobiliária.

Foi pensando nisso que o Plano Diretor, revisto nos últimos anos, traçou a diretrizes de desenvolvimento para os próximos 50 anos. A construção do Ypê Amarelo, com suas 1.400 residências, levou o Município a assumir um compromisso com o Ministério das Cidades.

O Ypê Amarelo só foi aprovado à época porque a Prefeitura apresentou a proposta de construção de um acesso viário aos moradores deste e de bairros limítrofes. A utilização do antigo ramal ferroviário para a construção da Avenida Alíbio Caveanha tornou possível entregar uma vida mais digna aos moradores do Ypê Amarelo.

A ligação do bairro até a região central favorecerá outros milhares de moradores dos bairros situados na região dos Ypês. A obra atingiu sua fase final. Serão duas novas pistas para o tráfego de todo tipo de veículo, como carros, motos, caminhões e ônibus.

Além disso, a Avenida Alíbio Caveanha contará com ciclovia e pista de caminhada, iluminação de led e a segurança necessária. Essa avenida se conectará com a Avenida dos Trabalhadores, que está interligada a outras importantes vias, como a Avenida Mogi Mirim e a Avenida Padre Jaime, facilitando a chegada até a Avenida Nico Lanzi e a Avenida Brasil.

Dentro do mesmo projeto de mobilidade urbana está o recape de dois trechos, já concluídos, da Avenida dos Trabalhadores, sem falar em outras obras que estão em andamento, como é o caso da construção de uma ciclovia. A ideia é ligar essa ciclovia até a Alíbio Caveanha, fazendo com que, seja para o trabalhou para o lazer, este dispositivo seja usado entre o Ypê Amarelo e a região central da cidade.

Também está em andamento da duplicação da Avenida Brasil, uma ligação que começa a ganhar importância inquestionável por atrair novos empreendimentos imobiliários e por estar próximo à entrada da cidade por meio de duas importantes ligações, as avenidas Tancredo Neves e Nico Lanzi.

Em breve, Avenida Brasil poderá ser ligada até a Avenida Luiz Gonzaga de Amoêdo Campos, na altura dos condomínios Santa Mônica I e II, gerando progresso para aquela região.

PROJETO DE SUPERAÇÃO

O Município saiu de um déficit orçamentário em 2012 de R$ 43 milhões e com dívida de curto prazo de R$ 127 milhões, conseguindo, desde então, fechar os exercícios com superávit orçamentário e com o pagamento de mais da metade dívida de curto prazo, que foi contraída em 2011 e 2012.

Só para se ter ideia, o valor da dívida paga pelo Município nos últimos sete anos é maior até do que o valor contraído como empréstimo para viabilizar obras importantes e necessárias para o desenvolvimento da cidade.

É que além dos R$ 29 milhões em mobilidade, o município obteve R$ 23 milhões em financiamentos para saneamento, para a construção de um segundo módulo da ETE (Estação de Tratamento de Esgoto) da Avenida Brasil, e outros R$ 10 milhões do FINISA para a reconstrução da Avenida Alíbio Caveanha, para a compra de quatro caminhões coletores de lixo, para o projeto de modernização de toda a Prefeitura e para a construção do prédio do curso de Medicina da Faculdade Municipal “Professor Franco Montoro”.